entorse tornozelo

O que é?

A entorse ou torção de tornozelo é a causa mais comum de lesão no tornozelo e é caracterizada por provocar dor e limitar a movimentação do pé, afetando a realização de atividades como caminhar, saltar e correr.

Geralmente é causada pela torção do pé. Homens e mulheres em todas as faixas etárias podem sofrer a entorse de tornozelo, mas os indivíduos mais expostos são os atletas que praticam atividades esportivas onde haja movimentação brusca, saltos e corrida, como por exemplo o futebol.

Na grande maioria dos casos ocorre uma lesão leve, onde há o estiramento de ligamentos e em casos mais graves ocorre o rompimento parcial ou total do ligamento.

Quais as causas?

A causa mais comum da entorse do tornozelo é a inversão do pé (torcer o pé), que ocorre quando o pé vira para dentro, podendo ocasionar lesão de ligamento. A entorse também pode ocorrer de forma menos frequente pela eversão do pé, que ocorre quando a planta do pé vira para fora e também pode causar lesão de ligamento.

Outras causas são a instabilidade da articulação do tornozelo, queda após salto (como pode ocorrer com jogadores de vôlei e basquete) e trauma relacionado à prática de esportes, principalmente observada em jogadores de futebol.

Qual é o grupo de risco?

Todas as pessoas podem sofrer a entorse de tornozelo, mas o grupo mais afetado é formado por atletas que praticam esportes que envolvem movimentos bruscos, de torção e de corrida, como o futebol, o voleibol e o basquete.

As crianças também podem torcer o tornozelo durante suas atividades de recreação, que na maioria das vezes envolve corridas e movimentos bruscos.

Outro grupo que apresenta uma predisposição maior a torcer o tornozelo são as mulheres, por utilizarem salto alto, o que pode provocar uma instabilidade e desequilíbrio.

Quais os sintomas?

O principal sintoma relatado é a dor no tornozelo. Essa dor pode variar de intensidade de acordo com o grau da lesão, que pode variar desde um estiramento de tendão até um rompimento parcial ou total, como ocorre nos casos mais graves.

Outros sintomas podem ser observados, como a perda de sensibilidade quando o indivíduo apóia o pé no chão e a diminuição da movimentação da articulação.

O tornozelo pode também apresentar inchaço e vermelhidão, o que indica um processo inflamatório.

Como é determinado o diagnóstico?

O diagnóstico deve ser realizado pelo médico ortopedista e consiste no exame clínico do paciente. O médico deverá obter informações do histórico do paciente, como os sintomas relatados e também como ocorreu o evento que levou à torção de tornozelo.

Além do histórico do paciente, deve ser realizado um exame físico. Este consiste na palpação da local e na realização de movimentos específicos para avaliação da lesão.

Exames de imagem complementares também podem ser solicitados para o médico poder determinar um diagnóstico preciso. Entre os exames de imagem temos o raio-X, que é muito importante para avaliar se há ou não a presença de alguma fratura, como por exemplo a fratura de pé. Outro exame de imagem que pode ser solicitado é a ressonância magnética, através da qual pode ser avaliada se há a presença ou não de lesões nos ligamentos. 

Determinado o diagnóstico, qual o tratamento mais indicado?

O tratamento tem como principal objetivo o alívio da dor, melhora do processo inflamatório e o retorno do paciente às suas atividades.

Para o alivio da dor e melhora do processo inflamatório, o médico pode receitar o uso de antiinflamatórios e analgésicos.

No inicio o tratamento deve consistir no repouso pelo período de três dias. Além disso, devem ser realizadas compressas de gelo por 20 minutos, 3 vezes ao dia por um período de até 36 horas e com o membro elevado. O médico também pode indicar o uso de imobilizador ou a tala gessada para restringir o movimento da articulação.

A fisioterapia é indicada e tem como objetivo a reabilitação do paciente, utilizando métodos com a finalidade de fortalecimento da musculatura, restabelecimento da movimentação e a propriocepção, que é o aumento da sensibilidade ao apoiar o pé no chão, o que permite um melhor controle do movimento.

Geralmente os pacientes retornam às suas atividades esportivas no período de dois a três meses.

Tratamento cirúrgico

Nos casos onde o tratamento conservador (clínico) não resultar na melhora do quadro, o médico pode indicar o tratamento cirúrgico.

A cirurgia tem como finalidade o reparo de lesões nos tendões.

Após a cirurgia deve ser realizado um programa de reabilitação através de fisioterapia a fim de se recuperar a movimentação, a propriocepção e promover o fortalecimento da região.

O tratamento tem uma duração média de 5 a 8 semanas e o paciente deve retornar aos poucos às atividades esportivas, principalmente aquelas onde há contato, movimentos bruscos e impacto, o que pode aumentar o risco de haver recorrência da lesão. Além disso, é recomendado o enfaixamento do tornozelo nos primeiros seis meses durante a realização da prática esportiva.

Responsável Técnico

Dr. Soo B. Chung - CRM 44853
Ortopedia - Ombro / Mão
Cargo na clínica