Ombro

 

O que é?

O ombro é uma articulação que possibilita uma variada amplitude de movimentos. Para que seja possível a realização desses movimentos com o mínimo de atrito entre as estruturas que formam a articulação, como os ossos, músculos e tendões, existe a bursa ou bolsa sinovial.

A bursa contém líquido sinovial e funciona como um amortecedor, diminuído cargas de impacto e facilitando o deslizamento das estruturas durante a movimentação.

A bursite no ombro, também denominada de bursite subacromial, é a inflamação da bursa ou bolsa sinovial, que neste caso se localiza abaixo do músculo deltóide e do acrômio, que é a extremidade da escápula.

Quais as causas?

A realização de movimentos repetitivos e em excesso, como ocorre com praticantes de algumas modalidades esportivas e atividades laborais são as principais causas da bursite no ombro. Outra causa da bursite no ombro são os traumas ortopédicos.

Além disso, outras doenças inflamatórias também podem levar ao desenvolvimento da bursite, entre elas a gota, lúpus e a artrite reumatóide.

Em alguns casos a bursite pode estar associada ao quadro de outra patologia articular, como a síndrome do impacto do ombro.

Qual o grupo de risco?

Fazem parte do grupo de risco indivíduos que praticam algumas modalidades esportivas onde ocorre o uso excessivo da articulação. Dentre as modalidades esportivas temos o vôlei, basquete, tênis, golfe e musculação, entre outras onde os indivíduos podem praticá-las de forma recreacional ou profissional.

Pessoas que exercem profissões onde são necessárias a realização de movimentos repetitivos, como os pintores, pessoas que trabalham com limpeza e linhas de produção também podem apresentar a bursite no ombro.

Os indivíduos acima dos 40 anos apresentam a bursite com mais freqüência devido ao envelhecimento natural.

Quais os sintomas?

O principal sintoma relatado é a dor no ombro. Essa dor pode se irradiar para o pescoço e para o braço e em alguns casos é relatada uma piora da intensidade da dor no período noturno, principalmente se o indivíduo se deitar sobre o lado do ombro acometido.

Outro sintoma relatado é a dificuldade na movimentação do braço em decorrência do aumento da dor. Isso acaba dificultando a realização de atividades cotidianas, como fechar o sutiã, vestir blusas e casacos e pegar objetos em locais mais altos.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico deve ser realizado pelo médico ortopedista, que deve se basear na história clínica do paciente, onde estão incluídas informações sobre os sintomas, se há doenças articulares prévias, atividade profissional exercida e prática de atividade física.

Além disso, o médico deve realizar um exame físico onde é possível se avaliar a movimentação do braço por meio de testes específicos de movimento.

Exames de imagem também devem solicitados. Apesar de não ser possível se diagnosticar a bursite do ombro por meio do raio-x, este exame é importante para se descartar outras patologias que também podem causar dor no ombro, como fraturas.

Para o diagnóstico preciso da bursite os exames mais indicados são a ultrassonografia, tomografia computadorizada e a ressonância magnética, pois permitem a identificação da inflamação na bursa, além de permitir a avaliação de estruturas como músculos e tendões.

O diagnóstico preciso é importante pois possibilita se excluir outras doenças que podem estar ou não associadas com a bursite no ombro, como a artose no ombro e lesão do manguito rotador

Determinado o diagnóstico, como tratar a bursite no ombro?

O tratamento inicial inclui repouso e aplicação local de compressas de gelo, que deve ser realizada três vezes ao dia por 20 minutos. O médico também pode prescrever o uso de analgésicos e antiinflamatórios.

Se não houver melhora do quadro de dor em até 72 horas pode ser indicada a aplicação de uma injeção intra- articular de corticóide. Na grande maioria dos casos há uma melhora do quadro de bursite após a injeção.

A fisioterapia inicialmente deve incluir técnicas que melhoram o quadro inflamatório e de dor. Na fase de reabilitação devem ser realizados exercícios de fortalecimento e alongamento, com a finalidade do restabelecimento do movimento.

Em casos onde não houver melhora do quadro mesmo com o tratamento conservador e com a fisioterapia, pode ser indicado o tratamento cirúrgico, onde a bursa é removida por meio de artroscopia.

Informações de recuperação

Para se evitar a recorrência da bursite no ombro devem ser realizadas atividades físicas sob orientação de profissional habilitado, visando o fortalecimento e alongamento da musculatura.

É importante também se evitar a realização de movimentos repetitivos. Se isso não for possível, o indivíduo deve realizar pausas durante atividade exercida.

Responsável Técnico

Dr. Soo B. Chung - CRM 44853
Ortopedia - Ombro / Mão
Cargo na clínica